sexta-feira, 4 de janeiro de 2008

cronografia.

Quem sabe você, que não vejo entre espelhos, me ensine

acreditar no mistério que traz o sol no inverno, flores no outono,

onde a primavera perde suas cores,

e um suave frio no verão, a inverdade de cada estação.

Há um poluível silêncio me assustando trazendo paz,

saudades do amanhã, ante medo do ontem.

Acredito no seu sorriso misterioso, de quem nunca diz tudo,

que me faz esquecer os dias fingidos do calendário,

e o melhor jeito para te conhecer, é fazer o contrario.

Ver meus dias no caleidoscópio, entre um lindo dia gris,

correr dos dias futuros, antes que a lua mude o seu lugar.

Encontrar em teus olhos o que invento,

pois o que não vejo, não existe.

Esqueço dos sonhos que não sonhei dormindo,

e escrevo o retrospecto futuro dos nossos sonhos perfeitos,

e sempre lembrar do presente;

Ponto na qual poderemos tocar a eternidade.

8 comentários:

camila disse...

demais essa poesia.. um pouco romântica e triste ao mesmo tempo!
=)
beijos!

camila disse...

"Há um poluível silêncio me assustando trazendo paz"

Gostei disso!
=]

Cá Melo disse...

Ra,

Seus textos cada dia estão melhores, quem sabe me inspiro e volto a escrever.

Continue assim

Fica com Deus.....

qualquerumseilafazerumteste disse...

Rafa,

admiro profundamento a sua sensibilidade... contiNue assim garoto.

Bianca disse...

Rapha,
Seu texto está lindo!!!
Com um toque de esperança.
Perfeito...

Continue assim...

Estou torcendo por vc sempre!!!

Bjs
Bia

Fernanda disse...

Nossa tá inspirado,hein???rsrs

Anônimo disse...

interessante e ao mesmo tempo diferente!por incrivel q isso q vou falar ou melhor comentar agora seja estranho ao seu ver,não consegui perceber a msm intensidade romantica dos outros textos... mas me fez lembrar aspectos mais intrsopectivos e tristes q um romantismo!mas o texto apresenta caracteristicas q o tornam diferente...
Monalisa Mendes

Karen (menina) disse...

Lindas su8as palvras ...

como semrpe me tocaram profundamente

te lovi